Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found

Área 51
Black Alien Lyrics


Esse é o retorno do cretino
Dos clássicos, hits, hinos, e o bolso cheio de pino
Vai vendo, só veneno na visão de zoom
Bebendo cachaça no bar da área 51
Check it

Hell no planeta Terra, papel caneta e guerra
Visibilidade zero, cegos na motosserra
Eu me dirijo pro inferno sem escala
Elegante de terno e boot, meu traje de gala
Debaixo foi a minha melhor escalada
Esculacho, o mundo deu volta, agora bem melhor calados
Eu peço ao Pai por essas almas
Pra onde o mundo vai, pois aqui nenhum tem pai e todos têm armas
Regentes dessa sinfonia distorcida
Afina a sintonia e me diz aí o que diz a torcida
Moleque, sebo nas canela fina de black jeans
Logo cedo nas esquinas, o que Black diz
Não ir pra frente é retrocesso, nada que vale a pena é fácil
Encara o processo, é assim que eu faço
Quem precisa de correntes de ouro pra ser Gustavo?
Quem precisa de correntes de ferro pra ser escravo?

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar

Vital pra mim que nem a moto pra Vital
Paralama do meu sucesso, de fábrica, original, é minha coragem
Flow sotaque elétrico em alta voltagem
Alço vôo na métrica até voltar de viagem
Meus refrões, mantras
Cifrões e pilantras
Veja o que a arca de Noé fez só com um casal de antas
Se 'tá tudo pela ordi, então, irmão, é só pógresso
Ainda bem que eu não recebo ordem, e nem tudo que eu peço
Invicto no fracasso, invicto no sucesso
A gata mia, boemia aqui não me tens de regresso
De boa aqui na minha, não foi sempre assim, confesso
Levitei em excesso, neve tem em excesso
A costela quebrada me avisa quando eu respiro
A favela e a quebrada te avisam quando me inspiro
Tiro do fundo do peito, dropo com muito respeito
A frase que muda a escolha de alguém no parapeito
Foda-se o inferno de Dante, eu não quero é o de antes
É sangue, suor, e lágrima, ou mais inferno adiante

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar

Lyrics © Sony/ATV Music Publishing LLC
Written by: Gustavo de Almeida Ribeiro

Lyrics Licensed & Provided by LyricFind
To comment on specific lyrics, highlight them
Most interesting comments from YouTube:

Maélly Rháis

Visão geral

Letras

Ouvir

Vídeos

Principais resultados

Esse é o retorno do cretino
Dos clássicos, hits, hinos
E o bolso cheio de pino
Vai vendo, só veneno na visão de zoom
Bebendo cachaça num bar da área 51

Check it!

Hell no planeta Terra
Papel, caneta e guerra
Visibilidade zero
Cegos na motosserra
Eu me dirijo pro inferno sem escala
Elegante de terno e boot
Meu traje de gala

Debaixo foi a minha melhor escalada
Esculacho, o mundo deu volta
Agora bem melhor, calados
Eu peço ao Pai por essas almas
Pra onde o mundo vai
Pois aqui nenhum tem pai
E todos têm armas

Regentes dessa sinfonia distorcida
Afina a sintonia e me diz aí o que diz a torcida
Moleque, sebo nas canela fina de black jeans
Logo cedo nas esquinas
O que Black diz
Não ir pra frente é retrocesso
Nada que vale a pena é fácil
Encara o processo, é assim que eu faço

Quem precisa de correntes de ouro pra ser Gustavo?
Quem precisa de correntes de ferro pra ser escravo?

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar

Vital pra mim que nem a moto pra
Vital paralama do meu sucesso
De fábrica, original, é minha coragem
Flow, sotaque elétrico, em alta voltagem
Alço vôo na métrica, até voltar de viagem

Meus refrões, mantras
Cifrões e pilantras
Veja o que a arca de Noé fez só com um casal de antas
Se tá tudo pela 'ordi', então, irmão, é só 'pógresso'
Ainda bem que eu não recebo ordem
E nem tudo que eu peço

Invicto no fracasso, invicto no sucesso
A gata mia, boemia aqui não me tens de regresso
De boa aqui na minha, não foi sempre assim
Confesso levitei em excesso
Neve tem em excesso

A costela quebrada me avisa quando eu respiro
A favela e a quebrada te avisam quando me inspiro
Tiro do fundo do peito
Dropo com muito respeito a frase que
Muda a escolha de alguém no parapeito
Foda-se o inferno de Dante, eu não quero é o de antes
É sangue, suor, e lágrima, ou mais inferno adiante

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar

Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar



Iago Santos

Esse é o retorno do cretino
Dos clássicos, hits, hinos
E o bolso cheio de pino
Vai vendo, só veneno na visão de zoom
Bebendo cachaça num bar da área 51
Check it!
Hell no planeta Terra
Papel, caneta e guerra
Visibilidade zero
Cegos na motosserra
Eu me dirijo pro inferno sem escala
Elegante de terno e boot
Meu traje de gala
Debaixo foi a minha melhor escalada
Esculacho, o mundo deu volta
Agora bem melhor, calados
Eu peço ao Pai por essas almas
Pra onde o mundo vai
Pois aqui nenhum tem pai
E todos têm armas
Regentes dessa sinfonia distorcida
Afina a sintonia e me diz aí o que diz a torcida
Moleque, sebo nas canela fina de black jeans
Logo cedo nas esquinas
O que Black diz
Não ir pra frente é retrocesso
Nada que vale a pena é fácil
Encara o processo, é assim que eu faço
Quem precisa de correntes de ouro pra ser Gustavo?
Quem precisa de correntes de ferro pra ser escravo?
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar
Vital pra mim que nem a moto pra
Vital paralama do meu sucesso
De fábrica, original, é minha coragem
Flow, sotaque elétrico, em alta voltagem
Alço vôo na métrica, até voltar de viagem
Meus refrões, mantras
Cifrões e pilantras
Veja o que a arca de Noé fez só com um casal de antas
Se tá tudo pela 'ordi', então, irmão, é só 'pógresso'
Ainda bem que eu não recebo ordem
E nem tudo que eu peço
Invicto no fracasso, invicto no sucesso
A gata mia, boemia aqui não me tens de regresso
De boa aqui na minha, não foi sempre assim
Confesso levitei em excesso
Neve tem em excesso
A costela quebrada me avisa quando eu respiro
A favela e a quebrada te avisam quando me inspiro
Tiro do fundo do peito
Dropo com muito respeito a frase que
Muda a escolha de alguém no parapeito
Foda-se o inferno de Dante, eu não quero é o de antes
É sangue, suor, e lágrima, ou mais inferno adiante
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar
Plantas já me dão tédio
Plantas me dão o remédio
Plantas me dão o prédio, se o cofre é o que eu quero
Vim pesadão, ninguém vai me derrubar
E problema com pó quem tem é o dono do bar



Antonio Henrique Dutra

Black,

suas letras são sinistras. Há pelo menos 16 anos eu ouço o álbum que sempre foi referência mim, pros meus amigos, pro meu imão (sinistramente) e até para os coroas que ouviram (e muito), o seu lançado em 2004 - o ano do macaco!

Hoje ver vc trazendo pra gente novas letras e que, apesar de abodarem novos temas, transbordam o mesmo nível de criatividade de outrora. Você tem um carinho ao tratar as rimas e as palavras encaixadas entre elas que facilita muito a compreensão dos temas aborados.

Em frente!

Seria massa trocar uma ideia!

Abraço



All comments from YouTube:

NATHALIA MAROSTICA PAVEZI

fui pesquisar vídeo de aliens e descobri essa música KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK EU AMEIIIIIIIIII, +1 FÃ

uma garota solitária

Eu tbm kkkkkkk

Renan Porto de Galinhas

Queria ter essa sua sorte. Ouvir o mister pela primeira vez. Escuto desde que nasci sem enjoar de um BEAT.

Jefferson Vieira Margutti

Kkkkkkkkkk💥

RICHARD FATALYT

Kakakakakakakakakakakakaka

Maik Dutra

Bem vinda

58 More Replies...

Roberto Bernardo

Quem precisa de hype, se temos mister Gustavo Black Alien

Dc2 Animations

@Jessica Vitória .

Flávio Frazão

@Jessica Vitória P p q

Gustavo Portela

famoso Mister Niterói!

More Comments

More Videos