Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found

Garganta
Ana Carolina Lyrics


Minha garganta estranha quando não te vejo
Me vem um desejo doido de gritar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar

Veio madrugada perturbar teu sono
Como um cão sem dono me ponho a ladrar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar

Sei que não sou santa, as vezes vou na cara dura
As vezes ajo com candura pra te conquistar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Vim parar nessa cidade, por força da circunstância
Sou assim desde criança, me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha,
E se eu 'to te dando linha é pra depois te ahh
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te

Minha garganta estranha

Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu 'to te dando linha é pra depois te abandonar

Lyrics © Universal Music Publishing Group
Written by: Jose Antonio Franco Villeroy

Lyrics Licensed & Provided by LyricFind
To comment on specific lyrics, highlight them
Most interesting comments from YouTube:

jonathan j

Garganta
Ana Carolina

Minha garganta estranha
Quando não te vejo
Me vem um desejo
Doido de gritar

Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha
Da sala de estar

Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha
Da sala de estar

Venho madrugada
Perturbar teu sono
Como um cão sem dono
Me ponho a ladrar

Atravesso o travesseiro
Te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço
Faço ela rodar

Atravesso o travesseiro
Te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço
Faço ela rodar

Sei que não sou santa
Às vezes vou na cara dura
Às vezes ajo com candura
Pra te conquistar
Mas não sou beata
Me criei na rua
E não mudo minha postura
Só pra te agradar

Mas não sou beata
Me criei na rua
E não mudo minha postura
Só pra te agradar

Vim parar nessa cidade
Por força da circunstância
Sou assim desde criança
Me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te... Han!

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar

Minha garganta estranha

(Diz aí!)
Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar
Eh! Eh!

Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha
É pra depois te abandonar



Renelde alves almeida

Minha garganta estranha quando não te vejo
Me vem um desejo doido de gritar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar
Minha garganta arranha a tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha, da sala de estar
Vem a madrugada perturbar teu sono
Como um cão sem dono me ponho a ladrar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar
Atravesso o travesseiro, te reviro pelo avesso
Tua cabeça enlouqueço, faço ela rodar

Sei que não sou santa, as vezes vou na cara dura
As vezes ajo com candura pra te conquistar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Mas não sou beata, me criei na rua
E não mudo minha postura só pra te agradar
Vim parar nessa cidade, por força da circunstância
Sou assim desde criança, me criei meio sem lar
Aprendi a me virar sozinha,
E se eu tô te dando linha é pra depois te abandonar
Aprendi a me virar sozinha
E se eu tô te dando linha é pra depois te abandonar



JOGA COM WILLIAM

LETRAS/LYRICS ❤️
Minha garganta estranha
Quando não te vejo
Me vem um desejo
Doido de gritar
Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha
Da sala de estar
Minha garganta arranha
A tinta e os azulejos
Do teu quarto, da cozinha
Da sala de estar



All comments from YouTube:

Raurison Inácio

Ana Carolina: "E se tô te dando linha é pra comer você".

Fãs de todas as idades: POÉTICO!

Marco Aurélio

@Fernanda Peixoto faço a mesma coisa, um espetáculo de música, um espetáculo de artista 🎨 sou muito fã

Eva Ezequiel

Kkkkkkkk eu ri kkk
(Luana)

DeBoRa BiS

@Danilo Almeida verdade !

Pedro Henrique

sim kkkkkkkkkk

Fabiana a hiperativa

Hahahahaha

12 More Replies...

Otávio José Coelho

Seu Jorge estava de home office nesse dia né.

Thais-.-Miranda.,.

Vdd kkkkk

davi cruz

Kkkkkkkkktaporrakkkkkkkkk

Taina Balisa

Kkkkk

More Comments

More Videos