Povo Que Lavas No Rio
Amália Rodrigues Lyrics


Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado,
Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão

Fui ter à mesa redonda,
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão

Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não

Aromas, de urze e de lama,
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição

Aromas, de urze e de lama,
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição

Povo, povo, eu te pertenço,
Deste-me alturas de incenso,
Mas a tua vida não

Povo que lavas no rio,
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Povo que lavas no rio,
Que talhas com o teu machado
As tábuas de meu caixão

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Pode haver quem te defenda,
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Lyrics © OBO APRA/AMCOS

Lyrics Licensed & Provided by LyricFind
To comment on specific lyrics, highlight them
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
Most interesting comment from YouTube:

Marina Sani

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão
Fui ter à mesa redonda
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição
Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso
Mas a tua vida não

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não



All comments from YouTube:

Luis Ferreira

NÃO HA, NUNCA HOUVE NEM NUNCA MAIS VAI HAVER NENHUMA FADISTA IGUAL

Marina Sani

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Fui ter à mesa redonda
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão
Fui ter à mesa redonda
Beber em malga que esconda
O beijo de mão em mão
Era o vinho que me deste
Água pura, fruto agreste
Mas a tua vida não

Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição
Aromas de urze e de lama
Dormi com eles na cama
Tive a mesma condição
Povo, povo, eu te pertenço
Deste-me alturas de incenso
Mas a tua vida não

Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Povo que lavas no rio
Que talhas com o teu machado
As tábuas do meu caixão
Pode haver quem te defenda
Quem compre o teu chão sagrado
Mas a tua vida não

Erik Neves

] de uma coisa

EDINALDO ABREU DA COSTA

Se não é o fado mais belo de todos os tempos?! É o que mais me.toca! Que letra!

rafael torres

Muchas gracias!!!

Dulcinea Martins

Cada pslavra dessa letra um peso.Quanta sabedoria nessa poesia.Bravo Bravo !!!!

Dulcinea Martins

Muito obrigada pela letra para a nossa apreciação é linda.

1 More Replies...

Maria Rosa Ferreira

No dia em que faria 100 anos, este fado é para mim o " Fado dos Fados "!

lusoraiano

A alma de um povo, cantada por uma diva eterna.

Gonçalo Freitas

👏👏❤️❤️

More Comments

More Videos