Tanto Mar
Chico Buarque Lyrics


PRIMEIRA VERSÃO (1975)*

Sei que estás em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim

Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor do teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

SEGUNDA VERSÃO (1978)*

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
E inda guardo, renitente
Um velho cravo para mim

Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto do jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Canta a primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

Lyrics © O/B/O APRA/AMCOS

Lyrics Licensed & Provided by LyricFind
To comment on specific lyrics, highlight them
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
Most interesting comments from YouTube:

theAlex

Versão original que foi censurada-

Sei que estás em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim

Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor do teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar

Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim



Bete Marques

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente.
E ainda guardo, renitente
Um velho cravo para mim.
Já murcharam em tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente em algum
Canto de jardim.
Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei também quanto é preciso, pá
Navegar, navegar.
Canta a primavera pá
Cá estou carente
Manda novamente algum cheirinho
De alecrim!



Carlos Matos

Alecrim aos molhos:
https://www.youtube.com/watch?v=mMSg5Qfp99Y.

«"Tanto Mar" foi composta em 1975 como forma de saudação à revolução dos cravos.
No Brasil a censura vetou o texto desta canção que foi inicialmente gravada ao vivo com Maria Bethânia e posteriormente gravada e divulgada apenas em Portugal. O texto desta canção é alterado e regravado em 1978, alertando agora para o fim do sonho socialista em Portugal que de alguma forma se esvai com o fim do PREC (processo revolucionário em curso), e o golpe de 25 de Novembro de 1975. A resiliência desta canção manifesta-se, entre outras coisas, pela sua inclusão no filme "Viagem a Portugal", 2014, do realizador Sérgio Tréfaut, a propósito da celebração do 40.º aniversário da revolução de 25 de Abril. Mas para o argumento deste texto, a canção "Meu Caro Amigo", é um exemplo singular, sobretudo porque ela inscreve o paradigma das canções mensageiras enquanto encenações sonoras que oferecem ao cantor o privilégio da “presença em diferido” e, com ela, a voz colectiva que procura representar. Esta canção de alguma forma se assemelha àquela que conferiu protagonismo à canção de José Afonso sobre Alípio de Freitas. Foi composta em 1976 e editada no disco "Meus Caros Amigos" pela Phonogram. Na altura, o teatrólogo Augusto Boal, estava exilado em Portugal mas mantinha contacto com os amigos no Brasil a quem pedia notícias e de quem recebia cartas enviadas frequentemente em mãos por portadores confiáveis. Chico Buarque decidiu responder ao apelo de Boal compondo esta canção com música de Francis Hime, cuja primeira versão é uma gravação doméstica, feita em sua casa com Hime ao piano, e que a mãe de Boal transportou para Portugal em mãos. A audição desta cassete aconteceu durante um almoço em casa de Boal, em Lisboa, na companhia de Paulo Freire, Darcy Ribeiro, e outros brasileiros exilados e, também, de José Mário Branco. A “carta-cassete”, como ficou conhecida em Portugal e também no Brasil, é uma denúncia da situação que o Brasil vivia e imediatamente é divulgada nas rádios portuguesas, apesar da precariedade do suporte tecnológico. No entanto ela oferece uma dimensão de presença muito singular como uma espécie de pedido de ajuda, pelo modo informal como foi gravada, e mesmo improvisada, na própria casa de Chico Buarque.»
Susana Sardo e José Mário Branco
"Canções mensageiras: A cumplicidade entre Brasil e Portugal
na construção das democracias através da palavra cantada"
IN "Com som! Sem som… - Liberdades políticas, liberdades poéticas"
de Heloísa de A. Duarte Valente e Simone Luci Pereira (organizadoras),
São Paulo, Letra e Voz, 2016

Carta ao Chico, de José Mário Branco,
"Sentido Único" (álbum "Correspondências", 1990):
.https://www.youtube.com/watch?v=kQdu63wEP2w.



All comments from YouTube:

Job101066

Os nossos irmãos brasileiros estão precisando muito de um cheirinho de alecrim.
Aquele abraço fraterno de Portugal!

Caio oca

Cá estamos carentes de muito. Estamos nos esforçando para fazer algumas sementes esquecidas germinarem. Adoraria se pudessem nos mandar um cheirinho.

Doutor Gori

@Anna Castro Nada disso! Vamos retirá-lo democraticamente e pacificamente como a revolução dos cravos.

Tiago Spada

Com certeza irmão português, estamos vivendo tempos sombrios cá do outro lado do oceano, mas logo essa tormenta irá passar, assim espero, abraço do filho Brasil ao pai Portugal!!!

Sararian

Infelizmente o vírus nos impede

Anna Castro

Manda um alecrim e tb um veneno pra colocar na comida do Bolsonaro

2 More Replies...

luis antonio camara

Chico, prêmio Camões 2019. O mais importante prêmio da língua portuguesa.Chico, simplesmente o melhor!

Fernando Sibón

Chico lo merece, y merece más, es un creador incomparable, un maestro, un hombre popular de la cultura Latinoamericana, poeta brillante, músico notable, Argentina te quiere genio, siéntanse orgulloso de él, y horrorizados por Bolsonaro. LULA VUELVE.

Ospin Tello

Sempre que ouço esta música, fico com uma lágrima no canto do olho.

Rafael

Portugal hoje vivendo bem em um governo democrático, nós nos encaminhando para algo sombrio. Hoje, tanto quando fora escrito essa música, se encaixa no que estamos/vamos viver. Sobriedade, sobretudo, para enfrentar o que nos espera.

More Comments

More Videos