Cristina Branco, O Enjeitado: We need your help!

  • I can comment on it

  • I know the meaning

  • I can review it

  • I can translate it

Skip to video »
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
O Enjeitado
by Cristina Branco

No fundo, sinto-me apodrecer.
Agora sei onde e de quê irei morrer:
À beira do Tejo, de suas margens
Macilentas e inclinadas.
Nada é mais belo e triste
E a existência sublime e lenta.

De tarde vagueio pelos prados
E à noite ouço o queixume dos fados
Até romper a madrugada.
- "A vida é imensa tristura" -
E logo sinto as amarras desse mal
Que no tempo aguarda fatal.

São as varinas quem canta o fado
E os entes que já nada esperam.
-"Mais um copo pra esquecer"-
Deixam-no desamparado,
Ecoando por becos e vielas,
Num silêncio que consente.

Um deles ouvi cantar
E minha frieza tornou-se em pesar:
"Nada me consola além da dor.
A vida não conhece o perdão,
Mais não tenho que este meu fado
P'ra me encher a noite, sem amor."

No fundo, sinto-me apodrecer;
Aqui, de nada serve morrer,
Onde tudo se perde na volúpia da dor:
Lisboa, outrora cidade das cidades,
Arrasta o passado no presente,
E vê nas ruínas uma glória que mente.

Por essa miragem me encantei;
Também eu descobri e conquistei,
Para afinal, de tudo ser perdedor
Morrendo na lentidão da corrente,
Junto à campa do mais nobre
Dos sonhos: "tudo é dor".

Contributed by Jackson C. Suggest a correction in the comments below.
To comment on specific lyrics, highlight them