Reis
Maria Gadú Lyrics


Não se fere um rei a ferro e fogo
Eu não desejaria ao fogo, à febre um rei
Seja cangaceira a carta à Espanha
Seja d'ouro a cana, o canto servo, a lei

A cada grito a porta aberta desespera
Aponta a flecha ao céu além
Cada caravela que espera o retorno da era
Quimera, a peixeira, o desdém
Não se cala um canto, uma discórdia
A língua que separa a prece
Ilude o mesmo Deus
Não se foge ao mar a procurar relíquias
Sujeitando a mata a recriar o caos

A cada grito a porta aberta desespera
Aponta a flecha ao céu além
Cada caravela que espera o retorno da era
Quimera, a peixeira, o desdém

Dizimando o rei, o réu sou eu
Vitimando o réu, o rei sou eu
Cangaceiro febril da terra inteira, o erro é meu

Da mortalha a peixeira que usei
Cada prece iludida que preguei
Desbravando o meu peito sem fronteira
Agora eu sei

Consumando o rei, o réu sou eu
Vitimando o réu, o rei sou eu
Cangaceiro febril da terra inteira, o erro é meu

Da mortalha a peixeira que usei
Cada prece iludida que preguei
Desbravando o meu peito sem fronteira
Agora eu sei

Não se fere um rei a ferro e fogo
Eu não desejaria ao fogo, à febre um rei
Não se cala um canto, uma discórdia
A língua que separa a prece
Ilude o mesmo Deus

Contributed by Jeremiah J. Suggest a correction in the comments below.
To comment on specific lyrics, highlight them
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
Comments from YouTube:

Carpe Vita Oficial

Não se fere um Rei a ferro e fogo Eu não desejaria ao fogo, à febre um Rei Seja cangaceira a carta à Espanha Seja d'ouro a cana, o canto servo, a lei A cada grito a porta aberta desespera Aponta a flecha ao céu além Cada caravela que espera o retorno da Era Quimera, a Peixeira, o desdém. Não se cala um canto, uma discórdia A língua que separa a prece Ilude o mesmo Deus Não se foge ao mar a procurar relíquias Sujeitando a mata a recriar o caos A cada grito a porta aberta desespera Aponta a flecha ao céu além Cada caravela que espera o retorno da Era Quimera, a Peixeira, o desdém. Dizimando o Rei, o Réu sou eu (Consumando o Rei, o Réu sou eu) Vitimando o Réu, o Rei sou eu Cangaceiro febril da terra inteira, o erro é meu Da mortalha a Peixeira que usei Cada prece iludida que preguei, Desbravando meu peito sem fronteira Agora eu sei. Não se fere um Rei a ferro e fogo Eu não desejaria o fogo, à febre um Rei Não se cala um canto, uma discórdia A língua que separa a prece Ilude o mesmo Deus."

Carpe Vita Oficial

@Roberta de M.Muito bom

Roberta de M.

Iron does not break through kings. I do not wish a flame the ferver of a king. Be it the bandit, or a letter from Spain. Be it gold or sugar, the call of a servant, the law. With each cry, an open door, desperation. The arrow points to the sky and the heavens above. Each caravel which awaits the return of the chimera, fishermen, or disdain. The language which separates prayers alludes to the same God. One should not seek the ocean in search of relics, allowing the woods to consume and return all to chaos. The arrow points to the sky and the heavens above.

Each caravel which awaits the return of the chimera, fishermen, or disdain.

I speak and order, I am the king. Consuming the king, I am king. Victimizing the king, I am the king. Bandit, nomad, sweat of the soil. From the winding sheet to the fisherman. To each illusioned prayer I have made. Pioneer to my chest, crossing frontiers- now I know. Iron does not break through kings. I do not wish a flame the ferver of a king. You can not silence a song, disagreement. The language which separates prayers alludes to the same God.

As pérolas de Kethelen

Não sei lidar com essas músicas ❤😍 (Taquicardia)

Edgar Vinicius

uma das melhores músicas do álbum e a que tem menos visualizações :(

Gabriel Queiroz

Esse álbum é perfeito

Jessy BLUE

poesia pura amo

ana Carolina silva Beatriz

Eu amo essa mulher demais e as músicas dela também

Sara Beatriz lira silva

Eu também

Nel Oliveira

Gadú, sem igual!

More Comments

More Videos