Dano colateral ft. Dior
Nocas Infinito Lyrics


Introdução:
“…Portanto, aquilo que em primeiro lugar eu gostaria de tentar
perceber: qual foi a dor psicológica que ele viveu, desde muito cedo, e
que provavelmente se pode correlacionar com esta situação…”

Verso 1:

José Gomes, 40 anos vividos
Estado civil casado e pai de 2 filhos
Operário empenhado para o bem-estar da família
Fazia horas extras pra tirar outra quantia
Via o seu ganha-pão na fábrica sem rendimento
Devido à crise já contava com um encerramento
Demorou pouco tempo para que isso fosse verdade
O patrão fechou as portas e outros com necessidade
Ficou desolado sem saber o que fazer
Mais frio resolveu enfrentar o que estava acontecer
Primeiro passo, mete os papéis no fundo de desemprego
Mas sabia que tinha de encontrar um emprego mais cedo
Não tinha habilitações pois quando era miúdo
A vida não era igual à de hoje em dia e trabalhou no duro
Fartou-se de correr numa procura que é imensa
Sofrimento abusivo e um cérebro já não pensa
Completamente desgastado, psicologicamente
Entrou no estado mais ridículo ao estado mais deprimente
O vício do álcool apaziguava a sua alma
Misturava os sentimentos e facilmente perdia a calma
O desespero é brutal, não encaixou em nada
Obrigatoriamente gastava o pouco que já restava
Os miúdos já não tinham orgulho no seu pai
E a mulher saiu de casa com eles sem dizer pra onde vai
Passaram 2 anos e chegaram mais danos
Os problemas que já tinha ficaram mais agravados
Desajeitado, grande barba e pouco falava
Depois de humilhações constantes por onde passava
Mais fraco do que nunca, bate de porta em porta
Pedia trabalho se lhe dessem alimento em troca
Já nem comia, mas que rumo tomaria?
A pensar nos filhos da puta que lhe estragaram a vida...

Refrão:
Quanto tempo, quanto tempo, vamos nós esperar?
Quanto tempo, quanto tempo, vamos nós aguentar?
Humilhação social, a reacção é normal
Mais um minuto, mais um dano colateral

Verso 2:

Com fome, isolado, num anexo encostado
Desolado, perplexo com cada noticiário
Depressão, garrafa na mão, beber para esquecer
Ansiolíticos consecutivos, sentidos a entorpecer
Sem nada a perder, a um passo do precipício
De arma ao seu lado, põe o dedo no gatilho
Contempla o suicídio como seu único objectivo
Mas uma voz no seu interior quebra-lhe o feitiço
“Acorda…” Momento de lucidez repentino
Apercebe-se de um estímulo estranho no seu íntimo
Abre o postigo, respira a alvorada
Comprimidos no lixo, estilhaça cada garrafa
Sente raiva e floresce um desejo de vingança
Por quem lhe roubou a dignidade e a esperança
Três balas de reserva, planeia a sua estratégia
Um assassino toma conta da sua rédea interna
Sai à rua, encontra um ex colega de trabalho:
“Então amigo, comé que tens passado?”
“Tou fodido, desempregado. Já sabes da notícia?
O nosso patrão tem outra empresa e tá cheio de guita
Vivenda com piscina na Avenida da Boavista
Passa por lá, o Panamera salta logo à vista!”
Põe-se a caminho em transe, olhos raiados de sangue
Fugante na cinta, hoje vai ser vigilante

Refrão

Chegada ao local, dá de caras com o seu alvo
Num potente carro, a entrar num imponente palácio
Irónica coincidência, os astros estão alinhados
A sua missão assume traços algo enigmáticos
Anoitece, movimento na rua desaparece
Adormece, mas é acordado por um portão que mexe
Dele sai o seu patrão para um passeio nocturno
Com um cão e um cigarro, momento mais oportuno?
Calmo, invisível, atravessa a rua
Frieza nua como lado negro da lua
Olhares cruzam-se, o tempo pára…
Mas não se depara reconhecimento na sua cara
É agora! Saca um cigarro do maço
Pede a chama para conseguir omitir o próximo passo
O alvo desvia o olhar á procura do isqueiro
E cai com o impacto de um disparo no seu peito!
O atirador sai a correr como se o chão fosse fogo
Adrenalina pura circula nas veias do seu corpo
Pulmões a colapsar, pernas a arder
Chega a casa, exausto, só lhe resta adormecer…
A manhã chega, ele acorda confuso
Entre o sonho e a realidade sente o beliscão do fusco
Acende a televisão, logo encontra a notícia
Empresário assassinado e a polícia sem pistas
Título seguinte, 1º ministro de visita
Inauguração, típica propaganda politica
Resolução! Rapa o cabelo e a barba
Veste o fato reservado para a agência funerária
Sai de casa, determinado, põe um fone no ouvido
Estilo de segurança para passar despercebido
Perdido em reflexões, caminha na calçada
Lojas fechadas, casa penhoradas, abandonadas
Pessoas frustradas, acomodadas
Habituadas a serem constantemente pisadas
Basta! Chega de tanta humilhação
Está na altura de tornar a revolta numa revolução!
Já no evento, é nojento, pompa e circunstância
Sorrisos cúmplices, boa vida, abundância
Vê o seu alvo a uns metros de distância
Avança com confiança, passa a linha dos seguranças
De rosto simpático, consegue cumprimentá-lo
Rápido! Atinge-o com um balázio no crânio
Confusão, pânico, mas uma alma absolvida
Ultima bala, gatilho, põe um termo à sua vida!

Contributed by Elijah S. Suggest a correction in the comments below.
To comment on specific lyrics, highlight them
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
Comments from YouTube:

Pedro Costa

nocas sempre a dar o exemplo

More Videos