Primavera
Tassia Reis Lyrics


Chega de dor
A primavera aspira a dança
É, já chegou
Nos ânimos causa alternâncias
Como uma brisa suave
Que toca o galho e balança
Como a vida me vale
Do vale eu trago lembrança

Das brincadeiras de rua de quando se é criança
Do joelho ralado, marcado pela infância
Sem ligar pra horário dando a mínima importância
Sem se preocupar com peso, piquenique, comilança
Domingo de sol, piscina, música mansa
Batata frita, sorvete, parque, até que cansa
Pagodin de mesa, beleza é requebrança
Alegria celebrada em primeira instância

É... A liberdade do passáro, era esperança
E cor, o voo experiência, amor
Ninguém explica, nem a ciência, sem obediência
Como se equilibra o beija flor
E eu vi um beija flor no 9º andar, na janela
E o danado me fez relembrar
O que vivi, porque nasci
É... E já que tô aqui quero voar

Eu já voava de tanto que corria, caía
Me machucava, me levantava, soprava e sorria
Fazia na laje um show, um palco do alto da euforia
O mato era quem enlouquecia
Ideia de poder ser o que quiser e podia
Criatividade era que nem platéia
Fui velha, nova, astronauta
Disciplinadamente peralta

Fui toda vida céu, toda vida alta
Me joguei no mar, sem querer fui nauta
Por pauta na onda da incompreensão, revolta
Vivida em posição de condição, bandida
Me solta, quis vida e a mesma quis fluir
Respirei o não e nunca me poluí
Poli a flor lá do lixão pra eu fazer muda
E fui plantar meus versos com efeito de arruda

E eu vi um beija flor no 9º andar, na janela
E o danado me fez relembrar
O que vivi, porque nasci
É... E já que tô aqui quero voar

Contributed by Max C. Suggest a correction in the comments below.
To comment on specific lyrics, highlight them
Genre not found
Artist not found
Album not found
Song not found
Most interesting comment from YouTube:

Leo Nardo

[Verso 1]
Chega de dor
A Primavera aspira a dança
É, já chegou
Nos ânimos causa alternâncias

Como uma brisa suave
Que toca o galho e balança
Como a vida me vale
Do Vale eu trago lembrança

Das brincadeiras de rua de quando se é criança
Do joelho ralado, marcado pela infância
Sem ligar pra horário dando a mínima importância
Sem se preocupar com peso, piquenique, comilança

Domingo de sol, piscina, música mansa
Batata frita, sorvete, parque, até que cansa
Pagodin de mesa, beleza é requebrança
Alegria celebrada em primeira instância

É... A liberdade do passáro, era esperança
E cor, o voo experiência, amor
Ninguém explica, nem a ciência, sem obediência
Como se equilibra o beija flor


[Refrão]
E eu vi um beija flor no 9º andar, na janela
E o danado me fez relembrar
O que vivi, porque nasci
É... e já que tô aqui quero voar

[Verso 2]
Eu já voava de tanto que corria, caía
Me machucava, me levantava, soprava e sorria
Fazia na laje um show, um palco do alto da euforia
O mato era quem enlouquecia

Ideia de poder ser o que quiser e podia
Criatividade era que nem platéia
Fui velha, nova, astronauta
Disciplinadamente peralta

Fui toda vida céu, toda vida alta
Me joguei no mar, sem querer fui nauta
Por pauta na onda da incompreensão, revolta
Vivida em posição de condição, bandida

Me solta, quis vida e a mesma quis fluir
Respirei o não e nunca me poluí
Poli a flor lá do lixão pra eu fazer muda
E fui plantar meus versos com efeito de arruda



All comments from YouTube:

Leo Nardo

[Verso 1]
Chega de dor
A Primavera aspira a dança
É, já chegou
Nos ânimos causa alternâncias

Como uma brisa suave
Que toca o galho e balança
Como a vida me vale
Do Vale eu trago lembrança

Das brincadeiras de rua de quando se é criança
Do joelho ralado, marcado pela infância
Sem ligar pra horário dando a mínima importância
Sem se preocupar com peso, piquenique, comilança

Domingo de sol, piscina, música mansa
Batata frita, sorvete, parque, até que cansa
Pagodin de mesa, beleza é requebrança
Alegria celebrada em primeira instância

É... A liberdade do passáro, era esperança
E cor, o voo experiência, amor
Ninguém explica, nem a ciência, sem obediência
Como se equilibra o beija flor


[Refrão]
E eu vi um beija flor no 9º andar, na janela
E o danado me fez relembrar
O que vivi, porque nasci
É... e já que tô aqui quero voar

[Verso 2]
Eu já voava de tanto que corria, caía
Me machucava, me levantava, soprava e sorria
Fazia na laje um show, um palco do alto da euforia
O mato era quem enlouquecia

Ideia de poder ser o que quiser e podia
Criatividade era que nem platéia
Fui velha, nova, astronauta
Disciplinadamente peralta

Fui toda vida céu, toda vida alta
Me joguei no mar, sem querer fui nauta
Por pauta na onda da incompreensão, revolta
Vivida em posição de condição, bandida

Me solta, quis vida e a mesma quis fluir
Respirei o não e nunca me poluí
Poli a flor lá do lixão pra eu fazer muda
E fui plantar meus versos com efeito de arruda

Thiago Augusto

fui fazer minha tatuagem e no estúdio tava tocando essa música gostei tanto que ate esqueci a dor

Adriane pereira

Nem acredito que demorei tanto tempo pra escutar Tássia Reis.. Som top, que toca na alma mesmo.. linnnnnnnnnda!

Fátima Mascarenhas

Que voz lindaa 😍
A música também é linda

Raíza S. Pastorelli

Conheci seu trabalho hoje, por esta música. Apaixonei!
Gratidão por esta linda música.

Ayana Odara

Sua voz, seu trabalho, sua beleza! Você é foda!

Rebeca Mozkowiz

Adoro seu trabalho, sua voz, sua música ... Parabéns Tássia! 
Todo sucesso do UNIVERSO pra vc! <3

Scarlat Guerra

Mulher, você é demais! Sua voz, seu som, teu remelexo!! Caralho, to apaixonada. Parabéns!
Conheci teu trabalho através da música: Meu rapjazz, muito bom!

keven silva

das brincadeiras de ruas de quando eu era criança 🎶
sucesso salve +TássiaReis 👏
Vibe mto boa 🍃😍❤

Dolores Cossi

Demais!!! Ameiii

More Comments

More Videos